icon-newsletter

Solteirice: fardo ou benção? Episódio 4

Publicadas: nov 22, 2021

Raquel Anderson: Você já desejou que Deus te mandasse um e-mail cada dia dizendo o que você precisa fazer?

Há muitas pessoas solteiras que gostariam de estar casadas, e um monte de pessoas casadas que gostariam de não estar casadas. Isso parece um problema relativamente novo? Como Nancy vai nos mostrar hoje, até o apóstolo Paulo achou necessário ter uma conversa direta com ambos casados e solteiros. Hoje, você vai descobrir o que ele pôs em sua lista de afazeres.

Nancy DeMoss Wolgemuth: Deixe-me ler para você um e-mail que recebi de uma mulher de trinta e poucos anos que nunca se casou. Ela disse: “Eu costumava medir meu valor, ou a falta dele, pelo fato de eu não estar casada, mas você disse que Deus dá dons diferentes a pessoas diferentes em épocas diferentes. Percebi então que é indelicado, de minha parte, dizer a Deus que eu não gosto do dom que Ele me deu. Obrigada por me apresentar uma visão diferente da solteirice. Estou descobrindo que tenho verdadeiramente abraçado a minha solteirice e amado a liberdade que ela me proporciona.”

Temos conversado esta semana sobre o dom da solteirice. Vimos também que a solteirice não é o único dom que existe. Casamento também é um dom, e um dos problemas nessa vida é o descontentamento, pois muitas pessoas casadas desejam que tivessem o dom da solteirice e muitas pessoas solteiras desejam que tivessem o dom do casamento! Nós estamos olhando para uma passagem muito importante na Palavra de Deus, 1 Coríntios 7, que nos dá instruções e direcionamento sobre nosso estado civil. Paulo está explicando aos cristãos da igreja primitiva como devem receber o dom que Deus lhes deu, qualquer que ele seja.

Em 1 Coríntios 7:7, Paulo diz que Deus deu a cada homem o seu próprio dom. Um tem o dom disso, outro daquilo. No verso 17 do mesmo capítulo, ele diz que cada um deve preservar o lugar que o Senhor lhe designou e viver de acordo com o chamado de Deus para sua vida. Esta é a regra que ele estabeleceu para todas as igrejas. Paulo diz que devemos aceitar nosso dom, e nos contentarmos com ele. Contudo, lembre-se: contentamento, em última análise, não é um sentimento; contentamento é uma escolha. Em um ato da minha vontade, eu posso dizer, “Senhor, eu aceito. Eu escolho ser contente com o dom que o Senhor tem me dado.”

Uma das coisas que aprendi ao longo dos anos, e acredito nisso de todo o coração, é que se você não está contente como solteira, você nunca será contente como casada. E eu diria a uma mulher casada, “Se você não estiver contente casada, e pensa que sair deste casamento te fará mais feliz, e que você estará em condições melhores, você está enganada. Se você não está contente em seu casamento, você não estará contente ao sair dele para uma vida de solteira. O dom de Deus, Seu desígnio, Seu chamado é para ser recebido. Nós devemos agradecê-lo por isso e usar esse dom como Ele planejou que fosse usado.

Paulo continua dizendo, em 1 Coríntios 7:20, que nós devemos permanecer no chamado de Deus, qualquer que seja, a menos que, ou até que, Deus mude esse chamado. Ele acrescenta, no verso 27, que o nosso objetivo não deve ser o de mudar o nosso estado civil. Continue no chamado em que Deus colocou você agora – a menos que Deus deixe claro que Ele está lhe dando um chamado diferente, um dom diferente. Não torne o seu propósito de vida mudar o seu dom, mudar o seu chamado.

Paulo continua, no verso 18, dizendo que cada um deve permanecer no lugar e na vida que o Senhor lhe designou. Ele pergunta: “Foi alguém chamado sendo já circunciso? Não desfaça a sua circuncisão. Foi alguém chamado sendo incircunciso? Não se circuncide.”

O que ele está dizendo é, “Não tente ter um dom diferente daquele que Deus te deu.” No verso 19, Paulo diz, “A circuncisão não significa nada, e a incircuncisão também nada é…” Judeu, gentio, casado, solteiro; não é o seu estado na vida que importa. Obedecer aos mandamentos de Deus é o que conta. No verso 20, ele diz, “Cada um deve permanecer na condição em que foi chamado por Deus.”

A palavra “permanecer”, significa continue, persista, não fique sempre tentando escapar. Nessa passagem, Paulo diz que estar casado é bom. Não há nada de errado em ser casado. Se Deus dá a você a oportunidade, e Deus abre essa porta, e você quer abri-la – abra-a. Mas não fique correndo atrás de uma situação diferente. Por quê? Porque muitas pessoas solteiras perdem a alegria, a plenitude e a benção que Deus as quer dar agora porque elas estão buscando algo diferente. Elas não conseguem aproveitar o que têm, porque estão se preocupando com o que não têm.

Não são apenas as solteiras que fazem isso. Pessoas casadas também. É um casal que não consegue ter filhos e fica dizendo, “Eu seria feliz, este casamento seria completo, nós seríamos completos se pudéssemos ter filhos.” Então, chegam os filhos – e eles ficam esperando que os bebês saiam das fraldas! Depois ficam esperando o momento em que as crianças possam ir para a escola, e passam a esperar a hora dos filhos se formarem, e então ficam esperando que as crianças se casem; eles estão sempre esperando por algo mais. Nesse meio tempo, a vida passa diante deles.

Moças, quero dizer a vocês que eu estou aproveitando a minha vida. Eu amava ser uma adolescente. Bom, talvez na maior parte do tempo. Não foi exatamente a minha época favorita, mas eu me diverti bastante durante a minha adolescência. O que realmente amei foi a época dos meus 20 anos. Aqueles foram bons anos! Eu tive oportunidades de ministrar e servir, e estava desenvolvendo relacionamentos. Então cheguei aos 30. Eu amei os meus trinta anos. Deus fez coisas maravilhosas em minha vida, me deu preciosas experiências e relacionamentos. Os 30 foram tão bons em comparação aos outros anos que eu não podia acreditar que nada pudesse ser melhor. Então, eu fiz 40 anos, e olha, os 40 são ótimos. Eu amo a minha vida.

Veja, eu não amo tudo sobre a vida. Eu não amei tudo nos meus 20 ou 30 anos, e nem vou amar tudo nos meus 40 ou 50. Mas eu estou aproveitando o que Deus tem me dado. É um dom, e eu estou recebendo isso como um presente, com o coração grato. Eu não estou desperdiçando minha vida.

Eu vou ser solteira para sempre? Não sei. Talvez sim; talvez não. A maravilha disso tudo é que eu não tenho que saber, nem quero viver constantemente antecipando algo que Deus não me deu ainda.

Paulo então diz – e nós pulamos essa pequena frase, mas eu não quero perdê-la – que o que importa não é o nosso estado civil, mas a obediência. No verso 19 ele diz, “o que importa é obedecer aos mandamentos de Deus.” A questão não é, se você é casada ou solteira; você está dentro da vontade de Deus? Se Deus quer que você esteja casada, você quer estar casada? Se Deus quer que você esteja solteira, você quer estar solteira? Se você estava casada e Deus levou o seu marido, você quer viver como viúva? Você quer ser solteira novamente?
Estamos falando sobre alegria nesta semana. Estamos falando sobre como caminhar nessa vida com alegria, seja solteira ou casada. Alegria é o produto – o subproduto – de conhecer, abraçar e fazer a vontade de Deus. É isso que faz com que eu me torne alegre.

Quando falo “alegria” eu não me refiro a frivolidades ou que tudo é fácil, que não há lágrimas, que não há frustrações. Acabo de passar pelo que provavelmente foi um dos anos mais difíceis da minha vida em vários aspectos. Mas quero te dizer que em meio às lágrimas, e às dores de cabeça, e aos problemas, há alegria porque eu estou obedecendo a Deus, eu estou me rendendo a Ele. Eu perco minha alegria quando começo a espernear, e gritar, e resistir à vontade de Deus, quando eu não escolho abraçar a vontade de Deus. Mas quando eu digo, “Eu quero conhecer a Tua vontade, oh, Deus. Eu quero abraçá-la, eu quero cumpri-la”, aí eu encontro alegria. E você encontrará também!

No verso 24 Paulo diz que devemos permanecer em qualquer que seja a condição que Ele nos colocou. Que cada uma de vocês permaneça com Deus no modo que você foi chamada. Esse verso nos diz que seja você solteira ou casada, você anda nesse modo, nessa condição, com Deus – e é assim que você encontra alegria. Mantenha o seu relacionamento com o Senhor acima de tudo e em primeiro lugar. Não é a minha solteirice que me define. Seja você solteira ou casada não é isso o que te define como mulher. O que me define – o que define você – como mulher é o nosso relacionamento com Deus e nossa caminhada ao longo da vida com Ele. Paulo diz que nós devemos permanecer nessa condição. Um tempo atrás, eu me deparei com um texto de autoria desconhecida. Eu também não me lembro onde encontrei esse texto, mas quero ler esta Declaração de Aceitação e Rendição para vocês. Diz assim:

“Deus é o meu Pai celestial. Em Sua infinita sabedoria Ele controla todas as coisas. Sua essência é amor. Seu desejo é para o meu bem. Já que Ele ama o suficiente para desejar apenas o que é bom para mim, é sábio o suficiente para planejar apenas o melhor, e é poderoso o suficiente para completar o que tem planejado do Seu amor e Sua bondade, como posso sentir falta de algo bom? É a Ele que rendo incondicionalmente tudo o que sou e tudo o que tenho. Eu pertenço a Ele.

Em especial, apresento a Ele agora todos os meus desejos de ser casada e de ter um marido e uma família, sabendo que Ele conhece o que é melhor para a minha vida. Eu reconheço que Deus tem suprido as minhas necessidades e tem cuidado de mim até agora, sem os benefícios e o prazer de ter um marido. Eu aceito completamente o fato de que ser solteira é a vontade de Deus para mim nesta fase da minha vida, percebendo que isso é para o meu bem e para Sua glória. Portanto, eu entrego a Deus o meu direito de me casar. Ele não vai me privar de qualquer bem, e se Ele não me der o dom do casamento, eu saberei que Ele tem um propósito maior em mente.

Além disso, eu reconheço que meu futuro pertence a Deus. Eu confio na sabedoria Dele, sabendo que Seu plano para a minha vida será o melhor para mim e o que mais O agradará. Me disponho a buscar satisfação apenas Nele, percebendo que Ele é capaz de atender e controlar os meus desejos – espirituais, emocionais e físicos. Também me disponho a recusar quaisquer pensamentos que me levem a ter de pena de mim mesma, inveja e ressentimento; pensamentos que sorrateiramente entrariam em minha mente quando não entender o Seu caminho para mim agora e Sua intenção para o meu futuro.

Senhor, eu faço essa declaração diante de Ti. Eu preciso da Tua ajuda para ser fiel a este acordo e estar alerta ao menor desvio. Faça o que quiser da minha vida, dando ou privando-me do casamento – a escolha é Tua. Obrigada, Senhor, por ser bom e fiel. Obrigada pelo Teu amor por mim, e por Teu bom propósito para a minha vida. No nome de Jesus eu oro. Amém.”

Raquel: Essa é a Nancy DeMoss Wolgemuth lendo a Declaração de Aceitação e Rendição para cada solteira.
No próximo episódio, Nancy falará sobre as bençãos da solteirice – e sim, elas existem! Na verdade existem várias. No deixe de ouvir o próximo episódio do Aviva Nossos Corações.

Aviva Nossos Corações, com Nancy DeMoss Wolgemuth, é uma organização que faz parte do ministério ‘Life Action’.

Clique aqui para a versão original em inglês.

Chamando as mulheres à liberdade, plenitude e abundância em Cristo. Aviva Nossos Corações é um ministério para mulheres, filial no Brasil da organização internacional Revive Our Hearts.

© 2021 Aviva Nossos Corações.